Suggestiva | Releases

Releases

 

Medo do volante também pode causar acidente

*Norma Brezinski Liporoni

 

O que para muitos é motivo de satisfação, alegria e independência, para alguns é sinônimo de frustração, tensão e sofrimento. Ao tirar a Carteira Nacional de Habilitação muitos motoristas estão legalmente aptos a dirigir, porém não se sentem capazes de tirar o seu carro da garagem.

 

Em constante crescimento, a enorme frota de veículos nas grandes cidades acarreta em trânsito caótico a qualquer horário e motoristas estressados e imprudentes, o que exige dos condutores enormes doses de paciência e autocontrole. Surge então o cenário propício para o desenvolvimento de medos e fobias relacionadas ao trânsito.

 

As pessoas enfrentam dois tipos de dificuldades: ela com ela mesma, que acarreta em ansiedade, traumas, fobias, rótulos familiares, medo de errar e de ser criticada; e dificuldades dela com o carro, envolvendo medo de colisões, de causar acidentes, medo de trânsito pesado, controle de embreagem, estacionar o veículo entre outras.

 

Infelizmente muitos acidentes acontecem, frente a um volante, em função dos sintomas graves, físicos e psicológicos, que as pessoas desenvolvem e que simplesmente ignoram. Nos dias de hoje as pessoas já estão se tornando mais conscientes dos riscos de não se tratar e por isso vêm buscando ajuda especializada e levando mais a sério o tratamento. Entendem também que sem dirigir ficam limitadas e dependentes do transporte público e da vontade de terceiros para se locomoverem.

 

Anos atrás a procura por esse tipo de tratamento para superar o medo de dirigir era significativamente maior entre mulheres na faixa estária dos 30 aos 60 anos. Atualmente essa margem inicial estendeu-se, englobando adolescentes a partir de 18 anos. Os homens também vêm aparecendo nesses índices, o que indica que o problema atinge indiscriminadamente homens e mulheres, das mais diferentes idades.

 

Escolas especializadas em treinamento de pessoas habilitadas como a Dirigindo Bem, têm um conceito diferenciado, que envolve o trabalho de uma psicóloga e de um gestor de aulas práticas, treinado para lidar com o processo de superação do medo. Com essa assistência a pessoa reintegra-se ao trânsito e conquista novamente sua autoconfiança para guiar seu veículo.

 

*Norma Brezinski Liporoni, é Psicóloga, perita examinadora de trânsito. Trabalha há mais de vinte anos ajudando pessoas com medo de dirigir. Elaborou e atuou durante dois anos, em um projeto no Detran do Distrito Federal, voltado para o tema.  Atualmente Norma é proprietária de uma Franquia Dirigindo Bem, empresa especializada em treinamento de pessoas habilitadas com 24 unidades em território nacional.